6 atrações imperdíveis no Bairro Alto Lisboa

Aqui vai uma ajudinha para vc se programar para uma viagem incríve por terras portuguesas. Com mais de 500 anos, o Bairro Alto Lisboa é um dos mais conhecidos da capital portuguesa. Sua fama se deve à grande concentração de bares e restaurantes, distribuídos por suas simpáticas ruelas.

Nas noites sempre agitadas, as estreitas vias ficam cheias de lisboetas e turistas que dão ao bairro um clima de festival de rua. O Bairro Alto Lisboa tem uma peculiar união de vanguarda e tradição. Construções antigas esbanjam a beleza da típica arquitetura portuguesa e atraem intelectuais, artistas e boêmios de todas as idades.

Do Baixo Chiado você pode ir para o Bairro de elevador. O Elevador de Santa Justa é um famoso símbolo da arquitetura lisboeta. Vale experimentar o breve passeio pelo menos uma vez, já que lá do alto a vista do Bairro de Alfama, onde fica o Castelo de São Jorge, é incrível. É possível também chegar ao Bairro Alto pegando o ascensor elétrico. Inaugurado em 1892 para facilitar o transporte de água e mercadoria, ele liga o Cais de Sodré ao Bairro Alto Lisboa.

https://gwtravel.com.br/2019/04/suica-terra-dos-chocolates-alpes-incriveis/

https://gwtravel.com.br/2019/04/pequenas-e-romanticas-cidades-europeias-que-esbanjam-charme/

https://gwtravel.com.br/2019/04/por-que-paris-e-a-cidade-luz/

 

Confira as 6 atrações especiais do Bairro Alto Lisboa que separamos para você e já comece a se programar: 

1 – Miradouro de Santa Catarina

 

Localizado em uma das sete colinas da cidade antiga, é conhecido também como Miradouro de Adamastor, pela presença da estátua do mítico personagem homónimo d’Os Lusíadas. Com uma das mais bonitas vistas do Rio Tejo, da Ponte 25 de Abril e do Cristo-Rei, o Miradouro é um retiro para os apreciadores de encantadoras paisagens. Ao anoitecer, a beleza é ainda maior, já que a ponte e a estátua do Cristo refletem na água do rio.

Dali eram admiradas a movimentação dos navios, entre os séculos XVI e XVIII. Reza a lenda que até a partida da família real portuguesa para o Brasil foi acompanhada pelos locais a partir do Miradouro. O espaço, com atmosfera jovem e muita animação, foi renovado recentemente. Ocupado por turistas e nativos, é ideal para um momento descontraído entre músicos e artistas de rua, ao ar livre e envolto por uma agradável área verde, o Jardim do Alto de Santa Catarina. Com a presença de alguns cafés e quiosques, o local tem grande movimento desde o amanhecer até o fim do dia.

2 – Igreja de Santa Catarina

 

 

Também conhecida como Igreja dos Paulistas, a edificação seiscentista situa-se na Calçada do Combro. Os religiosos de São Paulo da Serra de Ossa se instalaram com um pequeno vilarejo na região do Bairro Alto Lisboa, em 1646. No ano seguinte fundaram o Convento do Santíssimo Sacramento e em 1654, ao seu lado, foi iniciada a obra da igreja, que recebeu sua sagração apenas em 1680. Após o terremoto de 1755, que vitimou a cidade de Lisboa, a construção foi reedificada, trabalho que terminou somente em 1763. Em 1835, a igreja tornou-se Paróquia de Santa Catarina.

Pouco conhecida pelas turistas, esta igreja, com belíssimo interior barroco e rococó, é considerada Monumento Nacional. Com planta em cruz latina e duas torres sineiras, sua frente exibe três corpos separados entre si. No seu interior destaca-se o retábulo de talha joanina, último sobrevivente de um conjunto de retábulos em talha dourada de grandes dimensões.

O altar-mor da Igreja da Santa Catarina é um primoroso registro da concepção de sagrado da época de sua execução e também da excelência artística de seus estalhadores. A beleza do órgão e os estuques (ornamentos que utiliza uma argamassa específica feita com pó de mármore), que revestem a abóbada da nave e tem autoria de João Grossi e Toscanelli, também chamam atenção.

 

3 – Rua da Bica de Duarte Belo

 

É a mais famosa e fotografada rua de Lisboa. Com suas escadinhas e construções coloridas com vasinhos de flores e roupas estendidas na janela, é a típica imagem de uma rua portuguesa. O famoso ascensor elétrico, já citado por aqui, completa a paisagem. Ela liga a Travessa do Cabral ao Largo do Calhariz.

Esta rua fica localizada no Bairro da Bica, que tem sua origem em 1597, e é vizinho ao Bairro Alto Lisboa. Para acessar a este bairro tão pequeno, quanto tradicional, basta atravessar a Calçada do Combro. Como o próprio nome diz, o bairro também tem um grande número de bicas e fontes, tradicionais locais de encontro. A Rua da Bica de Duarte Belo concentra quase todos os comércios do bairro, como algumas tascas frequentadas por lisboetas, lojas antigas, como a Casa dos Botões, pequenas mercearias e oficinas de artífices.

No início deste ano, a Rua da Bica de Duarte Belo foi eleita a mais bela do mundo, ficando à frente de ruas mundialmente famosas como a 5 Avenida, em Nova York, e a Chmaps Élyssie, em paris. A votação foi realizada por um conjunto de portais americanos.

4 – Restaurante As Salgadeiras

 

Em um imóvel único, anteriormente ocupado por uma antiga padaria, o restaurante As Salgadeiras optou por manter a arquitetura original da construção, dando a ela sofisticação com uma iluminação cuidadosamente elaborada. José Antônio, lisboeta da região do bairro alto e chef proprietário do estabelecimento, já conhecia o local e o escolheu não só pela beleza, mas também por sua história. Reformulou o espaço, mas não abriu mão das paredes de pedras e tijolinhos, dos arcos da construção e do forno, agora transformado em uma adega.

O restaurante oferece comida tipicamente portuguesa, sobretudo das regiões de Minho e Alentejo. Além do bacalhau apresentado em uma trilogia, cabrito assado e o polvo à moda de Minho, a sopa de peixe e as migas à alentejana (feitas à base de carne de porco e pão) também fazem muito sucesso. O restaurante funciona somente para jantar e é aconselhável realizar reserva.

5 – Restaurante 100 Maneiras 

 

Um pequeno restaurante, acolhedor e intimista, localizado na Rua do Teixeira, uma das ruelas do Bairro Alto. Sob o comando do chef iugoslavo Ljubomir Stanisic, oferece um menu degustação criativo, que funde tradição e inovação, utilizando os mais diversos ingredientes; alguns muito inusitados e até desprezados, como a pele e as escamas de peixe. O menu, sempre composto por dez pratos, que mudam mensalmente, estimula os sentidos e a imaginação. O restaurante 100 Maneiras, com somente 30 lugares, abre apenas para jantar e é recomendado fazer reserva, para não perder a viagem.

 O chef Ljubomir também possui um bistrô, homônimo do restaurante, que fica no Chiado, próximo ao Bairro Alto Lisboa. O Bistrô 100 Maneiras foi eleito o Melhor Restaurante de 2017 pelo Restaurant Awards da Monocle, uma das publicações de lifestyle mais reconhecidas internacionalmente. Na premiação, editores e colaboradores da Monocle elegem o local em que tiveram as melhores refeições do ano.

Inaugurado em 2010, o Bistrô ocupa uma construção de inspiração Art Decó e possui três salas de jantar, uma sala privada concebida por artistas plásticos e um bar de cocktails – que é o cartão de visitas do Bistrô e serve, segundo os próprios, “comida em estado líquido” ou “bebida que se come”.

6 – PARK  Bar

 

Quem passa em frente ao prédio do estacionamento da Calçada do Colombo, a passos do Largo Camões e ao lado da Igreja de Santa Catarina, não dá nada por ele. Da calçada realmente não é possível imaginar que seu sétimo andar abriga um descolado bar que possui uma vista 360° de Lisboa, digna de cair o queijo. 

Do rooftop, com jardim suspenso e decoração minimalista, é possível admirar a deslumbrante paisagemdo Rio Tejo e da cidade de Lisboa, acompanhado de um bom drink ou uma cerveja gelada. Se a fome bater, o PARK serve também petiscos e hambúrgueres caseiros. O espaço fica aberto todos os dias, de 13h às 02h e possui diversificada programação musical e sessões de cinema ao ar livre.

Gostou do conteúdo? Não deixe de compartilhar!

Quer conhecer essas atrações de perto? Entre em contato conosco para organizarmos uma viagem personalizada e inesquecível.